Investimentos

Investimento em um mundo globalizado

17/09/2020

A globalização é um amplificador de tudo que acontece no mundo nos meios econômico, social, político, financeiro ou cultural. Usamos marcas e serviços 24 horas por dia pela internet sem mesmo saber quem a está alimentando com conteúdo e imagens – existem servidores espalhados por todo o mundo. Atualmente, praticamente tudo acontece em tempo real. Uma situação pode ter acontecido em um país distante e ficamos sabendo quase que instantaneamente. E o mercado de ações está inserido neste contexto: é o lugar onde os investidores pesquisam, estudam e investem em empresas independentemente de onde estejam. A globalização financeira aumenta a concorrência no mercado de capitais.

Neste ano, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) deu um passo importante rumo à democratização de investimentos para pessoas físicas no Brasil. A autarquia flexibilizou as regras sobre os BDRs - Brazilian Depositary Receipts, que são certificados emitidos no Brasil, que funcionam como um “espelho” de valores mobiliários estrangeiros, como ações ou fundos de índices (ETFs). Ainda que os BDRs “imitem” uma ação, eles possuem alguns custos que não trazem a mesma rentabilidade de uma ação negociada lá fora. Além disso, há um desconto decorrente da emissão pelo patrocinador - custo de criação, de conversão e o câmbio.

Independentemente dos custos, as pessoas físicas que tiverem interesse de investir em empresas e setores de sucesso no mundo não precisarão mais, obrigatoriamente, ter que abrir conta em corretoras no exterior. Com isso, as barreiras relacionadas à legislação internacional e idioma foram quebradas para os investidores, proporcionando acesso. Com isso, haverá maior quantidade de opções de investimentos para aportes, garantindo que a diversificação ocorra de maneira globalizada.

A partir das plataformas das corretoras, os clientes poderão escolher quais BDRs irão comprar - Apple, Amazon, entre outras. Outra possibilidade serão os ETFs, exchange-traded fund, fundo de investimento negociado que também pode ser chamado de fundo de índice, ou seja, que acompanham índices de bolsas, como o norte-americano S&P 500. Os ETFs devem ampliar o leque de opções para investidores brasileiros, dada a sua grande variedade no mercado externo.

Além de abrir as portas para a diversificação de outros países e moedas, o brasileiro também pode ingressar em setores que ainda estão engatinhando no mercado interno. Com essa mudança, os investidores poderão aproveitar a onda das grandes empresas globais de tecnologia, com foco em "grande tecnologia" nos Estados Unidos. Essa mudança facilita o acesso dos investidores de varejo a mercados de capitais estrangeiros que antes eram restritos a investidores qualificados.

Antes de fazer uma lista de compras de BDRs, procure entender se o seu perfil de investidor tolera esse tipo de risco, que envolve retornos variáveis ​​e cambiais. Os investidores em BDRs não só ganharão ou perderão devido à valorização ou desvalorização de empresas estrangeiras, mas também devido à alta ou queda do dólar em relação ao real. Em outras palavras, você pode ganhar duas vezes, perder outras duas, ou ainda uma coisa pode compensar a outra. Portanto, requer muito cuidado, atenção e conhecimento.

Leia também