Investimentos

Como montar uma carteira de investimento para os filhos

12/11/2020

Desde que os filhos nascem, os pais se preocupam com diversos aspectos da vida de suas proles. Se preocupam com a alimentação, se escovaram os dentes, se estão devidamente protegidos, seguros. Contudo, muitos se esquecem do bem estar financeiro das crianças.

Para isso, não será preciso fazer doutorado em economia e finanças, pois escolher investimentos para os filhos segue a mesma lógica que deve ser usada para sua carteira: defina objetivos e prazos. Posteriormente, selecione os investimentos mais adequados para atingir essas metas. Se possível, procure envolver seus filhos no processo, pois a educação será a semente para que as crianças se tornem adultos e conquistem a tão sonhada liberdade financeira. Ensine desde cedo o valor do dinheiro e deixe que eles observem as movimentações dos seus investimentos.

Diante das variadas opções de investimento para garantir o futuro de seu filho, é importante que os responsáveis diversifiquem – Leia mais sobre o assunto em artigo sobre diversificação. A diversificação dilui os riscos e evita perder grandes quantias aplicando tudo em um único ativo. Ao investir diferentes quantias no Tesouro Direto, LCI, ações e fundos, por exemplo, possibilitamos que o desempenho ruim de um ativo seja compensado pelos demais.

Em uma economia de juros mais baixos, é preciso dedicar um olhar atento para os movimentos do cenário, mas também buscar projetar uma realidade para quando seu filho estiver a caminho da faculdade ou do mercado de trabalho. Por volta dos 20 anos de idade, é bastante possível que os filhos queiram usufruir de uma parte do dinheiro. Por isso, de tempos em tempos será necessário realinhar e redistribuir o dinheiro. Ações que pagam dividendos, por exemplo, geram uma renda extra sem precisar vender as participações nas companhias.

Quais os investimentos mais aconselhados?

  • Previdência privada: Tem retorno consistente, flexibilidade da aplicação, benefícios fiscais e possibilitam a portabilidade sem fazer o resgate.
  • Fundos de ações: Podem ser uma boa oportunidade para diversificar a carteira e garantir uma rentabilidade maior.
  • Fundos imobiliários: Os aluguéis pagos como proventos podem ajudar bastante com os gastos da própria criança.
  • Tesouro: Se bem selecionado, o título público pode garantir proventos de maneira bastante segura para os filhos.  
  • Fundos multimercados: Como o próprio nome sugere, esse fundo aplica em uma série de ativos que permitem a você montar uma estratégia diversificada. No entanto, esses são considerados fundos de risco moderado para agressivo. Portanto, avalie direitinho se ele se enquadra no seu perfil de investidor.

No Brasil, a educação financeira não é algo presente no dia a dia das famílias. O tema que ganha relevância crescente, porém a grande maioria dos brasileiros ainda tem dificuldade para organizar as próprias contas e economizar de forma a conseguir guardar dinheiro para realizar algum tipo de investimento. Por isso, precisamos sempre buscar aprender mais sobre o “maravilhoso mundo dos juros sobre juros” (leia mais sobre juros compostos).

Leia também